´Etz HaDa`at Tov V’Ra`a

A categoria “Textinhos Para Ler no Celular” trocou de nome e agora se chama “Mobile First“. Não que alguém se importe. Para acessar todos os dois post disponíveis até o fechamento desta edição basta clicar naquele link lá, ó.

hr

Não lembro muita coisa do meu Ensino Médio no que diz respeito a “Conteúdo Programático”, mas se lembro alguma coisa — como por exemplo agora, vendo aulas de nível avançado em Algoritmos no Coursera, entendendo lhufas, mas tendo altos flashbacks de situações traumáticas em provas —, os créditos vão para José Lauro, meu professor de Matemática do primeiro ano, e pra Jô, minha irmã mais velha, provavelmente a pessoa mais paciente (pelo menos comigo) desse mundo.

hr

Por que o brasileiro faz pós-graduação no Brasil? Uma das respostas a essa pergunta é certamente poder pagar as contas. Uma pós-graduação não quer dizer nada a seu respeito enquanto pessoa na maior parte das vezes, mas mostra para quem paga seu salário que você se esforçou um mínimo possível para consegui-la. Mesmo que isso se resuma apenas a 1) conseguir comparecer às aulas sem ser reprovado por falta, e 2) ter conseguido manter dignidade suficiente para estar em dia (ou não) com os seus credores a ponto de não ter ido parar na cadeia (ainda).

Ter feito apenas este mínimo, no entanto, não significa que o pós-graduando é um folgado incapaz. “Apenas sobreviver” é um motivo bom o suficiente para qualquer ser humano realizar qualquer ação de qualquer natureza, dado o caráter da Vida, do Universo e Tudo o Mais em perspectiva na relação com o Grande Esquema das Coisas. “Apenas sobreviver” pode ser ótimo enquanto motivador. Eu, pessoalmente, acho que isso é algo que as pessoas deviam tentar fazer mais vezes.

hr

Pra eu gostar de uma pessoa ela tem que gostar do mesmo imperador romano que eu.

hr

Voltei com meu propósito de escrever um mínimo de 500 palavras por dia, e na segunda-feira bati a meta com folga: mais de 2 mil palavras, entre escrita em meio eletrônico e à mão. Obviamente, nos dias que se seguiram, a motivação arrefeceu.

hr

Uma coisa que me incomoda sobremaneira é não ter um checklist de habilidades quando estou aprendendo alguma coisa nova, principalmente em se tratando de tecnologia. É aquela coisa: “OK, aprendi e solidifiquei conhecimento básico em X, agora faço o quê? Parto para onde? Como sei que estou seguindo um bom caminho? Quando vou saber se aprendi o suficiente? Que outras coisas preciso priorizar, e o que posso deixar de lado por enquanto, no meio de tanta linguagem, biblioteca e framework com documentação porca que surge todo dia?” Me sinto, na falta de uma palavra melhor, overwhelmed pelo tanto de coisa que me sinto incapaz de fazer em comparação com o tanto de coisa que faço com o pé nas costas.

hr

E falando nisso, procurando por uma luz a respeito desse mesmo assunto no Google, me deparo com uma série de respostas-padrão dizendo que, quanto a ser mestre em uma habilidade específica, das duas uma: a) ninguém é bom o suficiente, e b) posso estar sofrendo da Síndrome do Impostor. Já fui informada a respeito dessa possibilidade, mas essa resposta nunca me agradou porque, bem, ela não me diz nada. A tal da Síndrome do Impostor diz basicamente que se você não se vê como bom o suficiente em algo, logo você só pode ser bom. Não importa que eu me sinta a própria definição de “estrangeiro em terra estranha” — ou “peixe fora d’água”, ou ainda “completamente ignorante” mesmo — em relação a determinado assunto. E se minha avaliação de mim mesma for acertada? Não existe um parâmetro, nenhuma evidência a que se agarrar para ter essa certeza, e sendo assim, para mim não passa de uma falácia assumir que sou boa em algo simplesmente porque não acho que sou. Essa, para ser mais específica.

hr

O melhor texto que acabei eventualmente encontrando sobre tudo isso foi esse.

One response to “´Etz HaDa`at Tov V’Ra`a”

  1. tonnydourado says:

    Eu ñ acho que a raciocínio da síndrome de impostor é que se vc acha que é ruim então vc é bom, mais uma possibilidade: quanto da sua auto crítica é válida quanto é baixa auto estima internalizada.

    E não acho que seja impossível vc validar se tem síndrome de impostor ou é só um bosta. Primeiro pq quem é realmente
    bosta geralmente é tão bosta que nem sabe que é um bosta. O fato de vc perceber um gap entre o que vc consegue atingir com as suas habilidades e o que vc quer atingir já é sinal de que vc no mínimo sabe reconhecer qualidade, o que já é muito, vai por mim.

    Segundo, vc pode tentar olhar de fora, como as pessoas te percebem vs a sua auto-imagem. Eu aposto que se vc vai começar a ver que te acham muito mais foda do que vc se acha (aliás acho que vc já sabe disso ). Claro que a resposta imediata vai ser “me acham foda pq são ainda mais merda do que eu”, mas eventualmente vc acha umas pessoas onde essa hipótese não se aplica.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *