ENIAC Girl

Me desespero muito quando vejo que estou demorando demais para aprender alguma coisa. Entro em pânico e começo a duvidar da solidez de todo o conhecimento que adquiri até aqui. Como consequência, hesito em botar mais qualquer outro tijolinho nessa obra bamba.

Com programação foi assim comigo, até que muito recentemente — semana passada? — me dei conta de que se eu parar e prestar a atenção devida no conceito sem perder o controle e pirar louca na ansiedade, eu até que aprendo direitinho e relativamente bem rápido. Pode parecer óbvio para a maioria das pessoas, mas para mim tem sido libertador conseguir parar por alguns minutos e só pensar… nisso: o problema abstrato que está diante de mim neste exato momento. Isso é apenas impossível para alguém que tem atenção deficitária, como eu.

Sim, arranjei um novo emprego. Estou fazendo quase que exatamente a mesma coisa que fazia na Gazeta do Povo, mas sem a parte do impresso e nem a das enguias1. Depois de oito meses parada, percebi que finalmente desacelerei e descansei. Parece que finalmente consegui enxergar a vida sem todo aquele estresse — coisa que nunca tinha conseguido antes, considerando qualquer uma das “férias” que tirei desde que me tornei uma trabalhadora assalariada.

E desde que me tornei uma trabalhadora assalariada, o último período de grande estresse para mim foi o mestrado, onde pesquisei sobre mulheres na ciência em geral e na computação em particular. Nas entrevistas que fiz para essa pesquisa, as gurias falavam muito que quando elas estavam tentando aprender a programar, às vezes chegavam nuns momentos de desespero. Até que dava o click: de algum modo o seu cérebro entra no Vórtice da Perspectiva Abstrata Total Necessária à Compreensão Daquele Problema de Lógica, você finalmente entende como funciona aquela máquina e porque você está conversando com ela daquele jeito tão esquisito.

Essa foto é tão linda! <3

Essa foto é tão linda! ♥

É bem verdade o que aquelas meninas doidas2 falaram: fazer programa dá dinheiro mesmo. Estou pagando minhas contas assim. Infelizmente — para o desconsolo da assombração que habita a cabecinha delas, é claro —, não é aquele tipo de programa, é outro.

Antigamente isso era coisa de mulher, depois virou coisa de nerdão que anda com a calculadora no bolso, e no futuro todo mundo vai precisar saber pelo menos o básico da lógica. Também está afim? Sugiro começar por aqui.


1. Piada interna. Não tente entender. Pelo amor do Altíssimo, não!

2. Não!

3 responses to “ENIAC Girl”

  1. Bárbara says:

    Você poderia indicar algumas leituras sobre a participação de mulheres na história da computação, ciência?

    Conheço alguns nomes importantes referentes a isso:
    Ada Lovelace, Grace Hopper, Margaret Hamilton, Frances Elizabeth Holberton, Jean Bartik, Kathleen Antonelli, Frances Spence e alguns outros.

    Tenho forte convicção de que vou me aventurar pelos caminhosos tortuosos da TI. Talvez seja loucura mesmo (por todos os motivos errados, acho que você sabe quais são).

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *